#Minissérie | O Nome da Rosa

Oi gente!
Continuando com dicas de minissérie – semana passada falei de Os Miseráveis, produzida pela BBC (tem resenha AQUI) – hoje vou falar de “O Nome da Rosa”, uma coprodução italiana e alemã, exibida nos Estados Unidos no canal pago Sundance TV.

Baseada no aclamado romance de Umberto Eco, “O Nome da Rosa” se passa na Itália em 1327. A história acompanha o monge franciscano William de Baskerville (John Turturro) e seu noviço Adso von Melk (Damian Hardung) ao chegarem a um mosteiro isolado nos Alpes. Incumbido de participar das discussões de uma disputa de propriedade entre franciscanos e o papado, Baskerville acaba se defrontando com uma série de assassinatos macabros.

O roteiro é assinado pelo cineasta Andrea Porporati (“Missão Romana”) em parceria com o britânico Nigel Williams (“Elizabeth I”), e todos os oito episódios são dirigidos por Giacomo Battiato (“O Jovem Casanova”).

“O Nome da Rosa” foi publicado em 1980, vendendo 50 milhões de cópias pelo mundo, e já teve uma adaptação para o cinema. Dirigida pelo francês Jean-Jacques Annaud em 1986, a produção foi estrelada por Sean Connery e Christian Slater, respectivamente como Baskerville e Adso. Neste caso é até impossível não fazer comparações entre o filme e minissérie. Considerada um clássico, a versão cinematográfica é mais focada na história dos assassinatos, sendo bem fiel ao livro. Na minissérie – como temos um tempo maior de vídeo – a história tem alguns acréscimos, principalmente em referências históricas, além de personagens novos.

O elenco possui bons nomes – o americano John Turturro (“Transformers”) é o principal deles. Como William de Baskerville, o ator traz uma interpretação segura, sendo o grande ponto positivo da minissérie. Também com um bom momento em cena, o inglês Rupert Everett (“O Casamento do Meu Melhor Amigo”) interpreta o inquisidor Bernard Gui, inimigo de Baskerville, grande defensor do papa e dos costumes da Igreja Católica. Por fim, o alemão Damian Hardung tem uma interpretação tímida, as vezes apagada, mas sem comprometer a produção.

Com uma produção caprichada, mostrando os mosteiros e belas paisagens italianas, “O Nome da Rosa” é uma nova adaptação do clássico de Uberto Eco, com uma nova roupagem, podemos dizer que até “atualizada” em referência ao filme, com um elenco de peso e boas cenas de mistério. A produção possui apenas oito episódios e ainda não tem previsão de lançamento no Brasil, mas dá para assistir online.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Minissérie | Os Miseráveis

Oi gente!
Já faz um tempinho que eu assisti a minissérie “Os Miseráveis”, produzida pela BBC, baseada na obra do escritor francês Victor Hugo. E hoje, vou falar um pouquinho sobre o que eu achei dessa produção para vocês, queridos leitores.

A obra “Os Miseráveis” já foi adaptada várias vezes para o cinema, teatro e Broadway e chegou à TV, como uma novidade, principalmente para os que não curtem musicais, já que desta vez, a produção não é cantada – somente atuada.

A nova adaptação está a cargo do roteirista Andrew Davies, um dos especialistas da BBC em adaptações de livros clássicos, como “Orgulho e Preconceito (1995), “Razão e Sensibilidade” (2008) e o recente “Guerra e Paz” (2016). Ele também foi criador da versão original de “House of Cards” (1990), que surgiu como uma minissérie britânica. A direção é de Tom Shankland (da série “The Missing”) e o elenco ainda inclui a vencedora do Oscar Oliva Colman (de “A Favorita”) como Madame Thénardier; David Oyelowo, como o antagonista Javert; Lilly Collins vivendo Fantine e Dominic West é o protagonista Jean Valjean. Completam o elenco Ellie Bamber (Cossette), Josh O’Connor (Marius), Erin Kellyman (Epopine) e Adeel Akhtar (Monsieur Thénardier).

A história se passa na França do século XIX entre duas grandes batalhas: a Batalha de Waterloo (1815) e os motins de junho de 1832.  Neste momento acompanhamos um panorama socioeconômico, que retrata a fortuna em contraste com a pobreza numa Paris cheia de nuances. Com isso, temos a história do fugitivo Jean Valjean, um ex-prisioneiro que luta para escapar dos erros de seu passado enquanto é perseguido pelo impiedoso inspetor Javert. Paralelamente conhecemos Fantine, uma bela moça que é enganada e abandonada grávida. Sem condições, ela deixa a pequena Cossette sob os cuidados da família Thénardier, que maltrata a garota. Trabalhando na fábrica de Madeleine – nova identidade de Jean Valjean – Fantine chega ao fundo do poço para tentar enviar dinheiro para a criação de sua filha, chegando a morrer na extrema pobreza aos braços de Jean Valjean. Em uma nova fase, Jean cumpre a promessa que fez no leito de morte de Fantine e cria Cossette com toda riqueza, mostrando ter se arrependido de seus erros do passado. Nesta passagem, temos o triângulo entre Cossette, Marius Pontmercy e Epopine.

Quem conhece a história e leu o livro de Victor Hugo, perceberá que a adaptação foi bem fiel à obra. Esse é um dos pontos positivos da produção, que tem em mãos uma história forte, com ótimos momentos retratados. Com relação ao elenco, Oliva Colman e Dominic West são os grandes destaques, com interpretações maravilhosas. Além disso, todo o design de produção também é impecável ao retratar a França do século XIX. A minissérie “Os Miseráveis” possui apenas seis episódios de 50 minutos, portanto dá para fazer aquela maratona no fim de semana.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filme | O Retorno de Ben

Oi gente!
Hoje tem dica de cinema para vocês! “O Retorno de Ben” traz uma emocionante história com Julia Roberts e Lucas Hedges.

O longa retrata a volta de Ben Burns (Hedges) para a casa da família na noite de Natal. Por causa do seu vício em drogas, o jovem estava internado em uma clínica de reabilitação, mas tem a chance de passar 24h ao lado dos seus parentes para tentar, ao menos nas festas de final de ano, recuperar um pouco do tempo perdido. A princípio, apenas a mãe Holly (Roberts) e os dois irmãos pequenos é que o recebem com alegria – já que o padrasto (Courtney B. Vance) e a sua irmã Ivy (Kathryn Newton) ainda não tinham superado as recordações ruins das últimas vezes em que estiveram todos juntos. Ao longo da narrativa, uma invasão na casa da família seguida pelo sequestro do cachorro enquanto todos estavam na igreja para o evento de Natal traz à tona a ideia de que Ben sempre vem acompanhado por problemas.

Esse é o segundo filme que assisti recentemente que aborda o tema de recuperação das drogas – em “Querido Menino” (tem resenha AQUI), a história de Nic Sheff (Timothée Chalamet) também discute as relações familiares diante do tema pesado do vício em drogas.

Em “O Retorno de Ben”, o diretor e roteirista Peter Hedges (pai do protagonista na vida real) traz um drama familiar, mais intenso, com cenas para se emocionar, além de um show de Julia Roberts, que carrega toda a produção nas costas. A vencedora do Oscar possui ótimos momentos com Lucas Hedges, e seus personagens crescem a cada desenvolvimento. Difícil não se emocionar ao ver sua reação ao ter o filho de volta ou sentir seu desespero quando, no provador do shopping, Ben insinua que tem entorpecentes escondidos no tênis que ela esqueceu de checar.

Importante ressaltar que Lucas Hedges tem tido bons momentos no cinema. O jovem ator indicado ao Oscar por “Manchester a Beira Mar”, teve uma boa atuação em “Boy Erased”, e agora traz um desempenho ainda mais dramático, apesar de seu personagem ser bem apático. Com relação à narrativa, o filme segue um caminho que não curti muito devido ao desenvolvimento do sequestro do cachorrinho, que poderia ter tido mais impacto dramático, porém a continuação culminou em uma ótima cena de encerramento.

“O Retorno de Ben” é um filme que tem uma boa temática, ótimas cenas atuadas por Roberts e Hedges, além de um roteiro ao mesmo tempo convencional e surpreendente. Apesar de alguns pontos, o filme mostra muito bem o inferno da dependência química, sem explorações, moralismos ou preconceitos. Vale a pena conferir.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Viagem | Chip da EasySim4U

Oi gente!
Que saudades de vocês! Fiquei um tempinho sem postar nada aqui no blog porque estava viajando, mas já estou de volta, e cheio de novidades! Hoje trago para vocês uma dica bem bacana que utilizei durante a minha viagem à Orlando.

Quem acompanhou meus stories viu que eu postei várias fotos e vídeos da Disney! E isso foi graças a EasySim4U! Fiquei conectado 24h por dia, atualizei as redes sociais, me comuniquei com a família todos os dias e ainda consegui utilizar o Uber e Google Maps para me localizar.

Eles entregaram o chip em casa, já sai do Brasil com ele em mãos e quando cheguei no destino já estava conectado! Fica a dica para quem for viajar nos próximos meses! A EasySim4U oferece ótimos planos para mais de 200 países!! Para saber mais, acompanhe as redes sociais da EasySim4U – Facebook e Instagram

PS: Quem não viu meus stories é só ir no meu instagram pessoal @felipelangefaria e conferir os “Destaques”.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livros | Variações Enigma

Autora: André Aciman
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Skoob
Onde Comprar: Americanas Submarino | Saraiva
Foto: Facebook Intrínseca

Oi gente!
Já faz um tempinho que finalizei a leitura de “Variações Enigma”, do escritor André Aciman – mesmo autor de “Me Chame pelo seu Nome”. E como teve a maratona dos filmes do Oscar, acabei deixando essa resenha para agora.

O livro é marcado pela história de Paul – ou Paolo – e suas relações amorosas caóticas, transitórias e marcadas pela força do desejo. A leitura não fluiu como eu desejava, mas ainda assim foi satisfatório. Isso porque – talvez – a história não colabore tanto, o que vou explicar depois. O livro é como se fosse uma junção de contos, em diferentes momentos da história do protagonista.

No primeiro capítulo – “Primeiro Amor” – vemos a visão de Paul, um garoto que retorna a San Giustiniano, sua terra natal aos 22 anos, revivendo o passado, quando aos 12 anos se apaixonou pelo marceneiro Nanni, que iria reformar uma escrivaninha antiga para seus pais. A vontade de estar perto dele faz com que o garoto vá todos os dias aprender marcenaria, ajudando Nanni, e dessa forma, podendo admirá-lo. Com pensamentos fortes, Paul vai descobrindo seus sentimentos, o que acaba em uma grande desilusão. Talvez este seja o melhor momento da narrativa do livro.

No capítulo “Entusiasmo de primavera”, Paul está casado com uma mulher – Maud – que ele acha que o está traindo, após vê-la com um outro cara em um restaurante. A construção da mente dele é um dos pontos que nos pega, mostrando como podemos pensar coisas que podem nem estar realmente acontecendo. Neste momento a narrativa nos apresenta a Manfred – cujo terceiro capítulo é totalmente dedicado à relação dele com Paul. O protagonista costuma ir todas as manhãs jogar tênis e, às vezes, admirar Manfred, porém o cara nunca havia dado retorno a Paul. Neste ponto, a narrativa se divide entre a relação de Paul, Maud e Manfred, além da confusão dos sentimentos de Paul pelos dois sexos.

No quarto capítulo – “Amor Estelar”Paul revive o passado com Chloe, uma amiga que sempre o despertou vontades sexuais na época de faculdade e agora se reencontraram depois de quatro anos.  É nítido que eles sempre foram mais do que amigos – ela agora casada com um marido e filha e ele ainda com Manfred. Os dois decidem reviver essa atração. No final, “Abingdon Square” Paul após rejeitar uma autora com seu projeto acaba meio que atraído por ela e aos poucos vão vivendo momentos juntos.

Como falei no início, a leitura foi difícil. Acredito que a falta de liga entre os capítulos contribuiu para isso. Quando estávamos “nos apegando” à história, tudo mudava e começava do zero, com novos personagens, confundindo o leitor. Os capítulos são bem grandes, e quase sempre atrapalhavam a leitura. Mesmo assim é uma narrativa de autodescoberta, uma leitura que muitos vivem diariamente, contada sob o olhar de um autor sensível e que já havia conquistado a todos com sua obra anterior – “Me Chame pelo seu Nome”.

Espero que tenham gostado da dica, e tenho uma notícia para vocês – o blog ficará alguns dias sem atualizações, pois vou viajar!!   Mas prometo deixar vocês atualizados de toda a viagem no meu instagram – basta me seguir lá! Logo logo já estarei de volta! 

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filme | Querido Menino

Oi gente!
Passamos pela maratona do Oscar, agora vou trazer para vocês outros filmes que estrearam neste período – alguns até chegaram a concorrer em algumas categorias da premiação. Hoje vou falar do filme “Querido Menino”, um drama dirigido pelo belga Felix van Groeningen, com Steve Carell e Timothée Chalamet no elenco, que estreou nos cinemas no dia 21 de fevereiro. O longa esteve presente nas principais premiações do cinema (com exceção do Oscar), com a indicação do jovem Timothée Chalamet – que já havia agradado público e crítica ano passado com “Me Chame pelo seu Nome”.

O filme conta a história de David Sheff (Steve Carell), um conceituado jornalista e escritor que vive com a segunda esposa e os filhos. O filho mais velho, Nic Sheff (Timothée Chalamet), é viciado em metanfetamina e abala completamente a rotina da família. David tenta entender o que acontece com o filho, que teve uma infância repleta de carinho e suporte, ao mesmo tempo em que estuda a droga e sua dependência. Nic, por sua vez, passa por diversos ciclos da vida de um dependente químico, lutando para se recuperar, mas volta e meia se entrega ao vício.

A história é baseada em fatos reais e foi adaptada dos livros “Beautiful Boy”, de David Sheff, e “Tweak”, de Nic Sheff. A premissa do longa é muito boa – a luta de um pai para livrar o filho do vício das drogas. É a típica história que faz o espectador se emocionar, tanto que minhas expectativas para o filme eram altas, porém a experiência acaba frustrando um pouco.

O grande destaque é o elenco. Responsável pelo aclamado “Alabama Monroe” (2012), o diretor Félix van Groeningen estreia no cinema norte-americano apoiando-se em dois nomes fortes – Steve Carell, mais conhecido pelas comédias escrachadas e que atualmente tem investido em ótimos dramas como “Foxcather: Uma História que Chocou o Mundo” (2014), que lhe rendeu uma indicação ao Oscar, além de Timothée Chalamet, que encara seu primeiro desafio após o premiado “Me Chame Pelo Seu Nome” (2017). Carell nos entrega uma interpretação contida – o que não é uma crítica – porque isso faz com que seu personagem cresça. Já Chalamet rouba todas as cenas do filme com uma interpretação segura, forte e de extrema qualidade, tanto que tem sido indicado às premiações na categoria de ator coadjuvante. O personagem tinha tudo aos seus pés e, mesmo assim, decidiu abrir mão dessa vida aparentemente perfeita para mergulhar num caminho sem fim. E é nessa parte que talvez o filme peque. A produção poderia ser melhor – tudo bem que o ator passou por uma pequena transformação, emagreceu muito para compor o personagem, mas ainda assim faltou um pouco mais de caracterização de uma pessoa que vive drogada. Temos outros filmes maravilhosos que retratam o mesmo tema com perfeição.

O elenco coadjuvante também é bom. A mãe, interpretada por Amy Ryan, é quase um detalhe – os dois estão separados, e ela se mudou para outro estado – enquanto que a madrasta, aqui na pele da excelente Maura Tierney, é respeitosa e incisiva na medida certa. É dela, aliás, uma das cenas mais comoventes do filme. O roteiro também é um problema em alguns momentos – o início é extremamente parado, a narrativa linear cansa após algum tempo. Ainda assim temos cenas maravilhosas, bem dirigidas e bem atuadas – como a conversa entre pai e filho em uma cafeteria, onde Nic, sob o discurso de que “está tudo bem, busca mais dinheiro com o pai para seguir se drogando, culminando em uma discussão extremamente maravilhosa. É de uma maturidade artística impressionante. Têm outras cenas em que a direção mostra explicitamente o uso de drogas, mas sem banalizar o tema.

A trilha sonora também é bem composta – “Beautiful Boy” (título original) é uma referência ao livro adaptado, mas também é uma alusão à clássica canção de John Lennon (feita para o filho Sean). A música não só está presente no longa, como surge num momento delicadíssimo, na voz de Carell.

“Querido Menino” se mostrou um filme tímido, que poderia ter sido bem mais do que foi. Ainda assim é uma oportunidade de se emocionar em alguns momentos, com uma atuação (quase) impecável de Steve Carell e Timothée Chalamet. É um filme pouco profundo, mas não é tão exagerado.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Série | Baby

Oi gente!
Agora que passou a época do Oscar – e toda a maratona de filmes que fiz – vou trazer para vocês alguns posts que eram para terem sido postados antes, mas precisei deixar guardado para postar agora. No final de 2018 a Netflix lançou a série italiana “Baby” – que eu assisti apenas no início deste ano – e fiquei em dúvida se trazia o post para vocês porque eu simplesmente detestei!

“Baby” é livremente inspirada em um escândalo ocorrido em 2014 em Roma. O caso ficou conhecido como Baby Squillo, o qual estudantes de famílias ricas e menores de idade ofereciam serviços sexuais em troca de dinheiro. Advogados, políticos e empresários estavam envolvidos no esquema de prostituição infantil e teve grande repercussão mundial. Na série, acompanhamos a história de alguns jovens estudantes de uma escola de grande prestígio de Roma e que possuem diversos dilemas da adolescência.

Chiara (Benedetta Porcaroli) tem poucos amigos e deseja desesperadamente ser amada e aceita pelas pessoas a sua volta. Damiano (Riccardo Mandolini) é um problemático garoto incompreendido, que perde a mãe e agora precisa morar com o pai rico, com quem nunca teve contato; enquanto Ludovica (Alice Pagani) é uma jovem deslocada, que sofre com humilhações dos seus colegas de sala. O que os três possuem em comum? Todos vêm de um lar familiar conturbado. Com o passar dos episódios, Chiara e Ludo vão criando uma amizade e acabam se envolvendo no mundo da prostituição – inclusive houve muita polêmica antes da estreia, pois a Netflix foi acusada de incentivar o tráfico sexual e glamourizar a prostituição de menores (o que em nenhum momento isso ocorre de fato, até porque trata-se de uma obra de ficção).

No modo geral, a história é muito boa, mas não é bem desenvolvida. Faltou química entre os atores, faltou uma produção mais afiada, faltou um cuidado maior com as cenas e, na minha opinião, faltou polêmica – o desenrolar da série é morno, poderiam ter explorado e ousado mais (o que talvez pode acontecer nas próximas temporadas, se houver). Alguns núcleos foram mal trabalhados como o caso do personagem Fábio (Brando Pacitto), que é filho do diretor da escola, começa a traficar drogas no colégio e se descobre gay – foi uma história tímida, pouco desenvolvida. Ou então a trama de Nicollo (Lorenzo Zurzolo) que trai a namorada com Chiara – melhor amiga de sua irmã e ao final ainda engata um romance com a professora – totalmente aleatório e sem sentido. Indo mais além, o núcleo do “vilão” Saverio (Paolo Calabresi), que é o principal agenciador das meninas, também poderia ter um destaque positivo na série, o que não aconteceu.

Outro ponto negativo é o elenco bem fraco – a única que salva é Alice Pagani, que transforma sua Ludovica em uma personagem interessante, com vários altos e baixos, além de trazer discussões interessantes e ser a principal movimentadora da história. Riccardo Mandolini e Benedetta Porcaroli não tiveram aquela química arrebatadora, o que faz com que seus personagens não engatem durante toda a temporada. Outros dois nomes que têm uma trajetória linear e até podem ser considerados destaques são Giuseppe Maggio (Fiore) e Chabeli Sastre (Camila).

“Baby” possui apenas seis episódios e está disponível na Netflix, porém é uma série fraca, com um roteiro confuso, com várias histórias jogadas sem serem aprofundadas, algumas coisas são forçadas e não conquistam o espectador. Provavelmente haverá segunda temporada, já que a primeira deixou várias coisas pendentes, e pode até ser que melhore nessa sequência.

Eaí, já assistiram Baby? Gostaram? E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filme | Roma

Oi gente!
Bora conferir mais um filme indicado ao Oscar 2019 – hoje vou falar de “Roma”, do diretor mexicano Alfonso Cuarón. O longa recebeu o maior número de indicações (assim como “A Favorita”) concorrendo em dez categorias – melhor filme, melhor direção, atriz (Yalitza Aparicio), atriz coadjuvante (Marina de Tavira), roteiro original, filme estrangeiro, direção de arte, fotografia, edição de som e mixagem de som. Lembrando que já falei de “Nasce uma Estrela” (AQUI), “O Primeiro Homem” (AQUI), “Bohemian Rhapsody” (AQUI), “A Esposa” (AQUI), “Infiltrado na Klan” (AQUI), “A Favorita” (AQUI), “Vice” (AQUI) e “Green Book – O Guia” (AQUI).

O vencedor do Oscar Alfonso Cuarón (por Gravidade, em 2014) está de volta com mais uma obra prima e, novamente, com grandes chances de vencer a categoria neste ano. Inclusive, nos últimos anos, o prêmio de melhor direção foi dominado pelos mexicanos – Cuarón venceu em 2014; Alejandro González Iñárritu ganhou dois anos seguidos 2015-2016; e no ano passado quem levou a melhor foi Guillermo del Toro. Curiosidades a parte, Cuarón é favorito pois trouxe um filme emocionante – quase uma cinebiografia, já que a produção é consolidada a partir de memórias da infância do diretor.

Ambientado no México do início dos anos 1970, “Roma” narra a história de Cleo (Yalitza Aparicio), uma empregada e babá, que trabalha na casa de uma família de classe média. Sua patroa Sofia (Marina de Tavira) enfrenta problemas no casamento ao mesmo tempo que precisa cuidar dos quatro filhos, com o auxílio da empregada. Em um período conturbado da história mexicana, Cleo precisa enfrentar um grande dilema.

O longa pode fazer história no Oscar 2019 – vencer na categoria de melhor filme estrangeiro (o que é praticamente certo), além da categoria principal de melhor filme. Se isso acontecer também será a primeira vez que uma produção do serviço de streaming (Netflix) leva o principal prêmio da noite.

Vencer não seria surpresa. A produção é simplesmente impecável. Cada plano é brilhantemente pensado, com cenas longas em planos sequência, diálogos que retratam o cotidiano, com boas atuações. Yalitza Aparicio talvez seja o melhor acontecimento. A mexicana que era professora, da noite pro dia virou estrela de cinema e até ganhou uma indicação ao Oscar, desbancando outras atrizes que eram favoritas como Emily Blunt (de O Retorno de Mary Poppins). Com uma atuação segura e emocionante, ela nem precisa de falas para ser o grande destaque em “Roma”. Já a experiente Marina de Tavira também conseguiu uma indicação – na minha opinião desnecessária – e não tem grandes chances.

“Roma” é uma narrativa sobre o amor em suas diversas facetas. Alfonso Cuarón volta a impactar com uma história comovente e de cunho social. Não é meu filme favorito no Oscar (a minha torcida é de Green Book), mas se vencer será por grandes méritos.

#Filme | Green Book – O Guia

Oi gente!
Bora conferir mais um filme indicado ao Oscar 2019 – hoje vou falar de “Green Book – O Guia”, do diretor Peter Farrelly. O longa concorre em cinco categorias – melhor filme, melhor ator (Viggo Mortensen), ator coadjuvante (Mahershala Ali), roteiro original e edição. Lembrando que já falei de “Nasce uma Estrela” (AQUI), “O Primeiro Homem” (AQUI), “Bohemian Rhapsody” (AQUI), “A Esposa” (AQUI), “Infiltrado na Klan” (AQUI), “A Favorita” (AQUI) e “Vice” (AQUI).

Confesso que “Green Book – O Guia” me surpreendeu bastante. Eu não estava com grandes expectativas e a produção se mostrou excelente. O filme se passa no final dos anos 60, quando os Estados Unidos ainda era uma nação segregada, com o sul do país extremamente racista. Se um negro precisasse viajar pelos estados sulistas, poderia acabar espancado ou morto, tamanho o preconceito da região. Para ajudar, foi criado o Green Book (Livro Verde), que trazia uma lista de restaurantes e hotéis que aceitavam afro-americanos.

É onde o filme começa. Baseado em uma história real, Tony Lip (Viggo Mortensen) aceita um trabalho que foge de seu cotidiano: levar o Dr. Don Shirley (Mahershala Ali), um pianista negro mundialmente famoso, em uma turnê de Manhattan ao Sul dos Estados Unidos – usando o Green Book para guiá-los aos poucos estabelecimentos da região que eram seguros. A transformação de Tony, de um conservador racista em alguém mais tolerante é um dos caminhos percorridos, mas não o único. Dr. Shirley também muda ao embarcar na jornada ao lado do motorista. Totalmente diferentes, os dois vão deixando de lado as diferenças para sobreviverem ao racismo.

Conhecido pela direção de comédias de sucesso como “Debi & Lóide”, “Quem vai ficar com Mary?” e “Eu, Eu Mesmo & Irene”, sempre na companhia do irmão Bobby, Peter Farrelly faz sua estreia como diretor-solo. E que estreia! O filme é muito bem construído, consegue passar com sutileza uma mensagem de luta e superação, além de ter ótimas interpretações de Viggo Mortensen e Mahershala Ali.

Vencedor do Oscar de melhor ator coadjuvante em 2017, pelo filme “Moonlight”, Mahershala Ali é o grande favorito na mesma categoria na premiação deste ano. O ator já levou outros prêmios como o Globo de Ouro e o SAG – com grandes méritos. Uma interpretação segura e maravilhosa. Mesmo com grande tempo de vídeo, é aposta certeira para o Oscar de coadjuvante. Já Viggo Mortensen tem um caminho mais difícil ao concorrer com Christian Bale (Vice) e Rami Malek (Bohemian Rhapsody), mas ainda assim corre por fora na categoria principal de atuação. O ator de “Senhor dos Anéis” também faz um trabalho brilhante – talvez o melhor em sua carreira.

“Green Book” consegue emocionar o espectador do começo ao fim, com uma história sensível e dramática na medida certa, com leves toques de humor, um elenco afiado e uma direção competente. A produção se torna cativante porque nos faz rir mesmo diante de situações horríveis, e porque nos afeiçoamos aos personagens principais e suas trajetórias. Um longa verdadeiramente comovente e encantador.

#Filme | Vice

Oi gente!
Bora conferir mais um filme indicado ao Oscar 2019 – hoje vou falar de “Vice”, do diretor Adam McKay. O longa concorre em sete categorias – melhor filme, direção, ator (Christian Bale), atriz coadjuvante (Amy Adams), ator coadjuvante (Sam Rockwell), roteiro original, edição, e maquiagem e penteado. Lembrando que já falei de “Nasce uma Estrela” (AQUI), “O Primeiro Homem” (AQUI), “Bohemian Rhapsody” (AQUI), “A Esposa” (AQUI), “Infiltrado na Klan” (AQUI) e “A Favorita (AQUI).

Conhecido por ter sido roteirista-chefe do humorístico Saturday Night Live, além de ter dirigido várias comédias escrachadas, Adam McKay ressurge em sua segunda indicação ao Oscar, após o bem-sucedido “A Grande Aposta” (vencedor de melhor roteiro adaptado). “Vice” mantêm o humor característico do diretor, ao retratar a história de Dick Cheney, vice-presidente no governo George W. Bush (2001-2009).

Cheney, hoje em dia, é tido como o mais poderoso vice-presidente da história dos Estados Unidos. Teve como primeiro cargo importante uma chefia de gabinete na Casa Branca em 1975 durante o governo de Gerald Ford e a partir daí só cresceu, sendo também Secretário de Defesa durante o governo de George H. W. Bush e chefe da empresa petrolífera Halliburton. De início, recusou a proposta de ser vice de Bush, considerando o cargo mais simbólico do que prático. Mas tudo mudou quando percebeu a inexperiência do presidente de passado privilegiado e festeiro. E com o atentado terrorista de 11 de Setembro, Cheney viu a oportunidade perfeita de exercer seu poder, nos eventos que acabaram desembocando na guerra do Iraque.

No elenco, McKay retorna a parceria com Christian Bale, que é um dos favoritos ao Oscar de melhor ator, e isso é visível, não somente pela boa atuação, mas também pela transformação que o ator passou ao engordar mais de 20 quilos para viver o personagem. Amy Adams também concorre, na categoria de melhor atriz coadjuvante, sem grandes chances, mesmo apresentando uma boa cena no início da produção e tendo muito tempo em vídeo. Por fim, Sam Rockwell, vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em 2018 pelo filme “Três Anúncios para um Crime”, concorre na mesma categoria por interpretar o ex-presidente George W. Bush, também sem grandes chances de vitória – vale destacar a boa caracterização. Completam o elenco, Steve Carrell, Tyler Perry, Jesse Plemons, entre outros.

Um dos destaques do filme é a sua estrutura narrativa. O diretor Adam McKay aplica recursos já utilizados em A Grande Aposta, dando uma dinâmica interessante à produção. Temos criatividade, estilo próprio, humor na medida certa – tudo isso para contar a vida de uma das pessoas mais odiadas da história americana.

Independentemente de sua ideologia política, “Vice” consegue transcender devido a sua qualidade artística. Mas ainda assim, o filme se torna cansativo em quase 2 horas e 15 minutos de tela. Boa parte das cenas poderiam ter sido minimizadas e outras deveriam ter uma importância maior. Ainda assim, vale a pena assistir para ver mais uma vez o show de Christian Bale.